protetor feito de 3D_projeto hígia

Empresas e instituições de Botucatu têm unido forças (e muita tecnologia) no combate ao coronavírus (Covid-19). O grupo integra o Projeto Hígia, iniciativa voluntária para produção de uma proteção individual por meio de impressoras 3D (três dimensões).

 

Tais itens têm sido doados a unidades de saúde e hospitais de Botucatu e região. O objetivo é oferecer proteção adicional a profissionais de saúde envolvidos no atendimento às pessoas suspeitas com o novo coronavírus.

 

O protetor é composto por um o arco de polímero, que sustenta uma folha de acetato e irá ajudar a proteger o rosto do usuário. De acordo com os envolvidos, tal equipamento não exclui a necessidade do uso de uma máscara (cirúrgica, N95) e demais itens de segurança no ambiente hospitalar.

 

Em Botucatu, o projeto Hígia envolve a Fatec Botucatu, o Instituto de Biociências (IB) da Unesp e as empresas 3D Spider, Avenir 3D, Injeta 3D, Cirúrgica Botucatu, Meu 3D, Oficina de Criaturas e LA 3D.

 

“Entregamos 230 unidades na Secretaria de Saúde, mais 100 para a Prefeitura de São Manoel e muitas outras nos últimos dias. Teremos uma demanda de 2.500 protetores para a nossa região”, estima o Prof. Ricardo Hall, diretor do Parque Tecnológico Botucatu, e que também coordena, na Fatec, o Projeto de Desenvolvimento de Protótipos de Automação utilizando Impressora 3D.

 

Interessados em também poder contribuir com o Projeto Hígia, em Botucatu, podem entrar em contato pelo e-mail: 3dspiderimpressao@gmail.com.

 

Mais informações: https://www.projetohigia.com.br/

 


3Dtechprojeto higiabotucatucoronavíruscovid19Impressão 3D